Seguro viagem geral 728x90

7 Motivos Para Realizar uma Viagem Para o Tibet

O Tibet é um território que se encontra na cordilheira do Himalaia, sendo considerada região autônoma da China.

É também a região mais alta do mundo, cuja altitude tem em média 4.900 metros, lar também da montanha mais alta do mundo, o Monte Everest.

Nesse território você encontrará templos, monastérios, uma cultura rica e um povo religioso e que leva muito a sério sua fé.

Quer saber mais motivos para realizar uma viagem para o Tibet?

Então nos acompanhe neste artigo.

1. Visitar Lhasa

Lhasa é a capital do Tibet e cidade mais importante do país, sendo composta por prédios baixos, com tonalidades brancas, marrons e douradas, com uma arquitetura única e simples.

No topo das construções há bandeiras coloridas que dão à cidade uma diferente atmosfera.

Entre os lugares mais visitados de Lhasa estão o Palácio Potala, um grande complexo de edifícios interligados que se encontra no monte Marpo Ri, sendo composto por mais de mil salas e 200 mil imagens.

Imagem do Palácio Potala na cidade de Lhasa, no Tibet.
Foto: Palácio Potala, Lhasa, Tibet – Pixabay

Ele foi construído em 635 para ser a morada do rei Sogtesen Gampo, sendo reconstruído em 1645 por Lozang, Gyats, o 5° Dalai Lama. Devido a confrontos e incêndios o palácio perdeu mais de 10 mil documentos históricos e obras de arte.

Hoje é um museu, do qual além de sua rica coleção pode se ter uma bela vista das montanhas e centro da cidade.

Outra construção importante é Johkang, o templo supremo do budismo tibetano (lamaísmo). Ele se encontra na praça Barkhor, no centro de Lhasa.

Ele foi construído no século VII pelo rei Songtsan Gampo, primeiro rei budista do Tibet. Dentro do templo é possível ver uma antiga estátua de Sakyamuni, Sidarta Gautama o Buda, presenteada por uma das esposas do rei, uma princesa chinesa.

Um lugar interessante é o monastério Sera, considerado uma universidade para monges, onde se formaram milhares, dos quais hoje restam apenas algumas centenas. É nesse lugar que ocorre todos os dias às 15 horas um debate entre os monges budistas, em que os membros falam sobre a filosofia budista, trocando desafios sobre as escrituras.

No Monastério Drepung é possível ver a Roda de Oração, um cilindro feito de cobre, prata e ouro e que contém mantras (palavras sagradas), esculpidos ou escritos em papel. Os budistas acreditam que quando a roda é girada emite uma energia sutil, capaz de transmitir saúde, paz, equilíbrio e vitalidade para todos.

2. Conhecer Outras Cidades do Tibet

Imagem do Mosteiro de Pelkor Chode, na cidade de Gyantse, no Tibet.
Foto: Mosteiro de Pelkor Chode, Gyantse, Tibet – Pixabay

Além de Lhasa, o Tibet contém outras cidades encantadoras, onde você poderá conhecer mais sobre a cultura e história do lugar.

Gyantse se encontra a 250 km de Lhasa. Nela você poderá conhecer o Mosteiro de Pelkor Chode, o Pagode de Kumbum, um edifício de vários andares e que tem a forma de uma mandala de 108 lados, ele se encontra no Mosteiro Palcho, onde também é possível encontrar 112 capelas, das quais 23 podem ser visitadas, e um Forte construído há 500 anos.

Xigatse é uma cidade bonita e muito importante no Tibet tanto a nível administrativo quanto religioso. Nela você encontrará o Mosteiro Tashilumpo, fundado em 1447, onde vivem cerca de 4 mil monges e tem uma estátua de Buda feita em ouro, cobre e bronze, de 26 metros de altura.

Foi nesse mosteiro que Panchen Lama permaneceu até sua morte em 1989, sendo um lugar importantíssimo de peregrinação entre os lamaístas.

Outra cidade importante é Tsaparang, uma cidade de ruínas composta por um palácio e várias capelas. Dentre elas a capela branca é uma das mais importantes, contendo famosas pinturas dos séculos XV e XVI que representam a vida de Buda e a construção do Palácio de Potala.

Encontre ofertas em seguro viagem para a Ásia na REAL SEGURO VIAGEM:

Seguro viagem asia 468x60

3. A Bela Paisagem do Tibet

Imagem do lago Yamdrok no Tibet.
Foto: Lago Yamdrok, Tibet – Pixabay

Especialmente durante o verão é possível ver as belas paisagens do Tibet. Você pode observar os lindos lugares do território realizando passeios pelas passagens de suas montanhas.

Um passeio pitoresco passa por Nyalam, uma pequena vila, onde é possível seguir o rio Bhote Koshi e avistar um vale profundo composta por uma vasta vegetação e cascatas.

Outra passagem famosa é a travessia que passa por Karoka Pass e Kambala Pass, onde é possível observar o belo lago Yamdrok.

A passagem da montanha Lalung La que fica a 5050 metros de altitude permite uma das melhores vistas da Cordilheira do Himalaia, sendo possível avistar os montes, Xixapangma, Makalu, Lhotse, Cho Oyo e Everest.

4. Apreciar a Cultura e História do Tibet

Imagem de lamaístas Orando no Mosteiro Pelkor Chode, na cidade de Gyantse, no Tibet
Foto: Lamaístas orando no Mosteiro Pelkor Chode, Gyantse, Tibet – Pixabay

Em suas cidades e pontos turísticos você poderá ficar por dentro da cultura e história do Tibet, que é diferente de outros lugares do mundo, proporcionando uma incrível experiência.

E você pode vivenciar isso desde o primeiro momento. Um costume comum no lugar é ser presenteado com a tradicional Kha-Tag tibetana. Um amuleto branco, que segundo a crença lamaísta transmite sorte. Geralmente ele é dado pelo guia turístico que recebe os visitantes, como um presente de boas-vindas.

Mas há amuletos de mais 4 cores: vermelho, verde, azul e amarelo, que com o branco formam as cinco cores místicas, sendo que cada uma tem um significado em sua cultura.

Um mito contado no Tibet fala que um demônio feminino ocupa toda a extensão do território, tanto que os tibetanos acreditam que o mapa do Tibet representa um demônio deitado de costas, com os braços abertos.

Para controlá-lo, o rei Songtsan Gampo mandou construir 13 templos e monastérios em treze pontos do corpo do demônio, sendo Jokhang o mais importante de todos, pois foi construído em seu coração. Ainda dizem que é possível ouvir o coração do demônio ao encostar a orelha no chão do templo.

Os tibetanos também acreditam que existe um Buda Vivo e que sua reencarnação ainda vive no mundo.

Encontre a hospedagem ideal para você no BOOKING.COM:


Booking.com

5. O Monte Everest

Imagem do Monte Everest, no Tibet.
Foto: Monte Everest, Tibet – Pixabay

Sem dúvida, o lugar mais conhecido da região e que desperta o interesse de muitos aventureiros.

Trata-se da montanha mais alta do mundo, medindo 8848,43 metros de altura. É o sonho de muitos alpinistas. Mas subi-la é algo muito perigoso, muitas pessoas morreram na tentativa, devido a grande pressão atmosférica e o frio que faz no lugar devido a sua altitude.

Além disso, o preço é muito caro, custando em média 60 mil dólares e leva-se 40 dias para escalar a montanha, tempo necessário para que o corpo se acostume com a altitude.

A não ser que escalar o Everest seja seu sonho, você pode apreciar a montanha de outras formas, através de passeios pelas passagens pela Cordilheira do Himalaia ou voar de helicóptero e sobrevoar o Everest e as outras montanhas que compõem o lugar.

6. Admirar a Fé dos Tibetanos

Os tibetanos são um povo pacífico e que segundo seu budismo prega sobre a paz e a harmonia com o meio ambiente.

Em vários momentos do dia é possível observar os lamaístas se dirigindo aos templos e monastérios para praticar sua fé.

É através de suas crenças que hoje eles se mantém firmes perante a posição de resistir ao domínio chinês.

7. Fazer Compras

O Tibet também é um ótimo lugar para fazer compras, sendo que você encontrará tapetes de qualidade e outros artigos que você não encontra em outros lugares no mundo.

O território é cheio de mercados a céu aberto, como o que se encontra na praça Barkhor, na cidade de Lhasa.

Nele é possível encontrar uma grande variedade de produtos e ainda você pode pechinchar, podendo economizar muito em suas compras.

Na cidade e em outras você encontra mais mercados, sendo possível comprar produtos artesanais e especiarias.

Dicas

O Tibet está passando por um período difícil de modernização, sendo que a China tem se esforçado para suprimir a cultura tibetana, com a construção de edifícios modernos, destruição de templos e a proibição de manifestações políticas e religiosas.

Por isso dependendo da época que você viaje para lá, pode encontrar um cenário diferente do mostrado nas imagens deste artigo.

Não é preciso visto de viagem para entrar no Tibet, apenas uma autorização de viagem do Governo Chinês.

Você apenas precisará do visto chinês se escolher visitar o Tibet a partir da China.

Mas se escolher a partir do Nepal, não é necessário. Você precisará apenas de seu passaporte e certificado de vacinação contra a febre amarela.

A viagem pode ser feita de avião, ônibus ou trem. No entanto o caminho terrestre que liga Nepal ao Tibet está inacessível devido a um sismo que abalou a região em abril de 2015 e por isso a fronteira terrestre se encontra fechada no momento (agosto 2016).

Não é recomendado visitar o Tibet durante o inverno, pois ele é muito rigoroso, especialmente à noite em que as temperaturas podem chegar a graus negativos. É melhor viajar durante a primavera, verão e outono, em que o clima está mais ameno.

Mas o melhor período para viajar é entre maio e outubro, quando o tempo está mais estável e a visibilidade é boa.

Como a altitude é grande, é bom tomar alguns cuidados durante a viagem para se adaptar. Realizando os passeios e atividades com calma, tomando muita água e tomando chás e medicamentos recomendados para evitar mal-estar, vômitos e dores de cabeça.

Esperamos que tenha gostado das informações.

Caso queira expressar sua opinião ou compartilhar alguma dica, deixe seu comentário.

E se gostou do artigo, compartilhe com os amigos nas redes sociais.

Fontes – Wikipedia, Alma de Viajante, 8 ou 80 Foto, Nomad, To Pensando em Viajar, Rotas do Vento, Contos da Mochila, João Leitão, Terapias Orientais, Raidho

 photo banner real seguro 468 x 60_zpsgvj8olhy.jpg

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!